Cirrose hepática: como ocorre a doença?

A cirrose hepática é uma inflamação crônica do fígado, que pode se transformar em fibrose (cicatriz) e fazer com que o órgão perca sua função, deixando de realizar tarefas primordiais para o organismo, caminhando para sua falência parcial ou completa.

No caso desta doença, é muito importante que ela seja diagnosticada logo no início, quando começam a surgir os primeiros sintomas, para que assim não existam complicações maiores. 

Neste artigo falaremos um pouco mais sobre a cirrose hepática, as causas, sintomas e formas de tratamento. Continue nos acompanhando.

Quais são as causas da cirrose hepática?

Existe uma série de fatores que podem desencadear a cirrose hepática. Entre eles estão:

 

– Vírus da hepatite B e C 

As hepatites B e C são umas das principais causas da cirrose hepática, que se caracterizam pela inflamação do fígado decorrente da infecção pelos vírus da hepatite.

 

– Uso abusivo de bebidas alcóolicas 

O consumo de álcool em excesso, 80 g para os homens e 60 g para as mulheres por dia, num período de mais de 10 anos, é um dos fatores que podem contribuir com o surgimento da cirrose.

 

– Hepatite autoimune

A hepatite autoimune é a inflamação do fígado, podendo ser aguda ou crônica, causada pelo próprio organismo por conta de uma disfunção que ocorre no sistema imune. Esse é o tipo de hepatite que ocorre com maior frequência em mulheres (3,6 para cada homem) e pode se manifestar em qualquer grupo étnico e faixa etária.

 

Principais sintomas

Geralmente, para o fígado apresentar algum sintoma, ele precisa estar com algum comprometimento. Muitas das vezes os sinais surgem antes dos sintomas, ou seja, somente avaliação por especialistas conseguem detectar o início da doença. Quando isto ocorre, o indivíduo pode começar a reter líquido, desenvolver inchaço nas pernas, algumas lesões de pele, o cabelo fica seco e os olhos amarelados. Ele também poderá sentir náuseas e evacuar sangue; entre outros.

 

Tratamento de cirrose hepática

O tratamento para cirrose hepática varia de acordo com a causa, e deve começar com o paciente suspendendo o consumo de bebidas alcóolicas. Além disso, é importante manter uma dieta adequada, com a suplementação de vitaminas.

O principal objetivo do tratamento é impedir as complicações da doença. Podem ser indicados pelo médico especialista alguns medicamentos para controlar alguns sintomas ou evolução de complicações, além de exames de acompanhamento, para avaliar a evolução do quadro e rastrear possíveis nódulos malignos.

Quando o caso de cirrose hepática atingir alguns critérios e situações especiais, o paciente deve ser encaminhado para a lista de transplante de fígado.

Clique no sino do canto inferior direito para receber notificações!

3 Comentários

  1. Muito bom as suas explicações dr.parabéns, queria fazer uma pergunta, tenho hepatite B há uns 20 anos tomo tenofovir ,faço acompanhamento.De seis em seis meses faço uma tomografia ou ressonância com contraste, pois tenho uns três nódulos mas graças a Deus não é malignos, o senhor indicaria outro tipo de exame? Obrigado.

    Responder
    • Olá, Daslima. Primeiramente, agradeço pelo comentário!

      Acredito que o melhor a se fazer é seguir as orientações do seu médico para melhores resultados, pois não tenho todos os exames em mãos e acompanhamento médico para uma resposta mais precisa sobre essa questão.

      Abraços.

      Responder
  2. muito bom saber disso e como podemos saber se temos hepatite c ou b doutor? o que o sr falaria sobre o tratamento de choque para calculo na vesicula

    Responder

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Prof. Dr. Luiz Carneiro

Diretor da Divisão de Transplantes de Fígado e Orgãos do Aparelho Digestivo do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP

TIRE SUAS DÚVIDAS

× Agendar Consulta.
Share This