Logo | Dr. Luiz Carneiro CRM 22761

Gordura no fígado é causada por maus hábitos ou de forma hereditária?

Também conhecida como esteatose hepática, a gordura no fígado é uma doença hepática  muito comum, que afeta cada vez mais pessoas. Ela ocorre quando as células saudáveis do órgão começam a ser invadidas por células de gordura. 

A imagem mostra uma ilustração digital de um fígado.
Gordura no fígado é causada por maus hábitos ou de forma hereditária? 2

O fígado é um órgão que fica localizado ao lado direito do abdômen. Ele desempenha mais de 500 funções básicas no corpo, assim como metabolização, filtrar e eliminar toxinas.  

Quando essas gorduras  séricas ultrapassam os níveis normais, é um sinal de alerta e precisa ser tratado. Mas, a gordura no fígado é causada por maus hábitos ou de forma hereditária? Confira no artigo a seguir. 

Os perigos da gordura no fígado

Conforme já falamos, o fígado pode possuir um pouco de gordura. Porém, quando esses níveis ultrapassam 5 a 10%, o quadro deve ser tratado.

Com todo esse acúmulo de gordura os hepatócitos, células que realizam as funções metabólicas, deixam de desempenhar a sua função e pode causar um processo de inflamação no corpo. 

A médio e longo prazo, essa inflamação pode evoluir para quadros mais graves, como hepatite, cirrose hepática e até tumores malignos no fígado. 

Mas, afinal, o que causa a esteatose hepática?

A gordura no fígado pode ser dividida em dois tipos, de acordo com as suas causas:

  • Esteatose hepática alcoólica: que, como o próprio nome sugere, é causada pelo consumo de álcool em excesso. 

Ela acontece pois o álcool é metabolizado no fígado, porém, quando ingerido em grandes quantidades ou em curtos espaços de tempo, o órgão não consegue completar o processo de limpeza de álcool no organismo, deixando as células tóxicas.

  • Esteatose hepática não alcoólica: já no caso da esteatose não alcoólica, a gordura é acumulada por conta do estilo de vida do paciente ou por outros tipos de doenças.

As principais causas da esteatose hepática não alcoólica são:

  • Obesidade, diabetes e resistência à insulina;
  • Colesterol ou triglicérides elevados;
  • Alimentação rica em gordura e açúcar;
  • Uso de medicamentos;
  • Desnutrição

Também podemos citar o excesso de peso como uma das principais causas da esteatose no fígado. Aproximadamente 60% das pessoas que apresentam a doença são obesas. 

Além disso, ela pode aparecer, também, em crianças e adolescentes. Quando aparece nos primeiros anos de vida, a gordura no fígado está ligada, principalmente, a doenças metabólicas. Porém, já nas crianças maiores, as causas são iguais aos adultos e estão ligadas a um estilo de vida.

Fatores de risco e sintomas da gordura no fígado

Além do excesso de peso, mulheres também podem ter mais chance de desenvolver o excesso de gordura no fígado. Isso se deve por conta do hormônio estrógeno, produzido naturalmente pelo corpo feminino, que facilita o acúmulo de gordura. 

Outros fatores de risco da esteatose hepática são:

  • Pessoas de ascendência oriental ou hispânica também parecem ter uma maior propensão ao quadro, ao contrário dos descendentes de africanos;
  • Síndrome do ovário policístico;
  • Hipotireoidismo;
  • Síndrome metabólica;
  • Apneia do sono;

Por ser uma doença silenciosa, a gordura no fígado não dá sinais logo no início. Nos estágios intermediários e avançados, os principais sintomas são:

  • Cansaço;
  • Fraqueza;
  • Perda de apetite;
  • Aumento do volume abdominal;
  • Peles e olhos amarelos;
  • Fezes sem cor;

Após o diagnóstico da doença, seguindo o tratamento adequado, o paciente tem altas chances de regredir o quadro ou estabilizá-lo. 

Como prevenir a gordura no fígado?

A prevenção da esteatose hepática pode ser feita com mudanças na rotina e estilo de vida dos pacientes. Algumas medidas indispensáveis que garantem a prevenção são:

  • Manter o peso ideal: essa é a medida mais eficaz para evitar a gordura no fígado. Porém, deve-se ter cuidado: dietas radicais, que promovem o emagrecimento muito rápido, podem até piorar o quadro;
  • Ter uma dieta com alimentos fontes de colina e betaína: esses componentes ajudam o fígado a exportar os triglicérides para a corrente sanguínea, evitando o acúmulo de gordura. Exemplo de alimentos com esses elementos são: quinoa; beterraba; espinafre; farelo de trigo; ovo e soja;
  • Evitar bebidas alcoólicas: para não causar a esteatose hepática alcoólica, o consumo de bebidas alcoólicas deve ser feito de maneira controlada e consciente. 

Se você lembrou de alguém que está passando por esse problema, compartilhe esse texto com ela! 

Foto Links Úteis | Prof. Dr. Carneiro
Prof. Dr. Luiz Carneiro
Prof. Dr. Luiz Carneiro CRM: 22.761/SP, diretor do Serviço de Transplante e Cirurgia do Fígado do Hospital das Clínicas, professor da FMUSP e chefe do Departamento de Gastroenterologia da FMUSP.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Prof Dr. Luiz Carneiro CRM 22761
CONTATO
Atenção: O site https://profluizcarneiro.com.br/ é uma espaço de informação e orientação médica de qualidade, nunca poderá substituir a consulta de um profissional médico que é a única pessoa capaz de realizar o diagnóstico real.

© 2022 Prof. Dr. Luiz Carneiro. Todos os direitos reservados. Desenvolvido com ♥ em WordPress por Surya Marketing Médico.

magnifiercross