Logo | Dr. Luiz Carneiro CRM 22761

Qual o melhor tratamento para diverticulite

A diverticulite, inflamação que acomete os divertículos, pode ser tratada por meio de medidas clinicas, ou seja, tratamento clinico ou conservador, quando o quadro é mais simples. Entretanto, se a gravidade for maior, pode ser necessária a realização de uma cirurgia.

A imagem mostra uma ilustração digital do divertículo no trato gastrointestinal.
Qual o melhor tratamento para diverticulite 2

A formação de divertículos no intestino nem sempre é um problema para a pessoa; porém, eles podem ficar inflamados, levando a um quadro agudo chamado de diverticulite. Nesse caso, é preciso fazer um tratamento para reequilibrar a saúde. 

Muitas vezes é possível adotar medidas conservadoras para tratar a inflamação, mas existem casos em que é preciso um procedimento mais complexo. Neste artigo vamos explicar tudo o que você precisa saber sobre o tema para entender qual é a melhor forma de tratar a diverticulite.

O que causa a diverticulite?

A diverticulite é um processo inflamatório que acomete pessoas que desenvolveram a diverticulose, ou doença diverticular. Esse problema acontece quando se formam divertículos nas paredes do intestino. 

Os divertículos são pequenas saliências que se parecem com a ponta do dedo de uma luva e que se formam em diferentes partes do trato gastrointestinal. Porém, geralmente sua ocorrência se dá nas paredes do intestino grosso. 

Essas saliências não se formam para dentro do intestino, mas sim convergindo para fora, provocando uma espécie de recuo nos tecidos. Assim, ficam parecidos com pequenas bolsas e, por isso, existe a possibilidade de se acumularem resíduos de fezes.

Quando isso acontece, temos um ambiente com condições favoráveis para o alojamento e a colonização de bactérias. É isso o que provoca a diverticulite, ou seja, o processo inflamatório dos divertículos. 

Além da inflamação e da infecção, os divertículos podem apresentar abcessos ou serem perfurados. Nesse último caso, existe um risco maior porque os resíduos intestinais podem escapar para a cavidade abdominal, causando uma condição chamada de peritonite.

Qual é o tratamento ideal para diverticulite?

A diverticulite se manifesta com gravidades diferentes para cada pessoa. Existem os casos que são de menor gravidade e que podem ser tratados por meio de medidas conservadoras. Entretanto, há aqueles que evoluem para uma gravidade maior, muitas vezes exigindo procedimentos mais complexos. A seguir falamos sobre essas duas formas de tratamento.

Medidas conservadoras

Como dito, nos casos mais simples de diverticulite podemos adotar medidas conservadoras para reverter o processo inflamatório. A pessoa pode até permanecer em sua casa e, geralmente, em cerca de 7 dias a maioria dos casos já evoluiu para a cura. A grande maioria das diverticulites agudas não complicadas também são tratadas com antibioticoterapia de 7 a 14 dias. 

Essas medidas conservadoras envolvem a adoção de uma dieta mais leve, com maior ingestão de líquidos e de fibras, a fim de facilitar a motilidade do intestino e também evitar novos acúmulos de fezes nos divertículos. 

São recomendadas algumas mudanças no estilo de vida para obtenção de hábitos mais saudáveis. Os desconfortos podem ser aliviados com alimentação exclusivamente líquida e bolsas de água quente. Porém, o paciente pode precisar de analgésicos e antibióticos para controlar os sintomas e combater as bactérias.

Procedimento cirúrgico

Nos casos de maior gravidade, ou quando o quadro não evolui bem, pode ser necessária a realização de uma cirurgia. Ela é realizada para retirar a porção do intestino que está comprometida pelos divertículos.

É possível fazer essa cirurgia por meio da técnica convencional com corte, por videolaparoscopia ou por meio da cirurgia robótica. Esses dois últimos são procedimentos menos invasivos, que reduzem os riscos de complicação e favorecem o pós-operatório. 

Existe a possibilidade de o paciente ser submetido à drenagem dos abscessos, se eles tiverem se formado. Esse procedimento é feito por meio de uma punção transcutânea, mas realizada apenas quando os abscessos são pequenos. 

É importante ressaltar que a diverticulite aguda costuma ter uma característica recidiva, ou seja, a inflamação pode se manifestar de forma frequente. Sendo assim, o especialista muitas vezes sugere ao paciente a realização de uma cirurgia programada, a fim de tratar os divertículos quando for mais conveniente e evitar que as inflamações aconteçam de novo.

É possível obter bons resultados por meio dos métodos conservadores e da cirurgia. Portanto, somente com uma avaliação criteriosa de cada pessoa o especialista vai indicar aquilo que é melhor para ela, inclusive, conforme o seu histórico clínico de recidivas. Assim, o melhor tratamento é aquele que atende às necessidades de cada um. 

Foto Links Úteis | Prof. Dr. Carneiro
Prof. Dr. Luiz Carneiro
Prof. Dr. Luiz Carneiro CRM: 22.761/SP, diretor do Serviço de Transplante e Cirurgia do Fígado do Hospital das Clínicas, professor da FMUSP e chefe do Departamento de Gastroenterologia da FMUSP.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Prof Dr. Luiz Carneiro CRM 22761
CONTATO
Atenção: O site https://profluizcarneiro.com.br/ é uma espaço de informação e orientação médica de qualidade, nunca poderá substituir a consulta de um profissional médico que é a única pessoa capaz de realizar o diagnóstico real.

© 2021 Prof. Dr. Luiz Carneiro. Todos os direitos reservados. Desenvolvido com ♥ em WordPress por Surya Marketing Médico.

magnifiercross