INSUFICIÊNCIA PANCREÁTICA

  • O que é insuficiência pancreática?

A insuficiência pancreática é a incapacidade do pâncreas de secretar enzimas digestivas. Isto é, em quantidades suficientes para que possa digerir os alimentos e permitir que sejam absorvidos.

  • Como ocorre a insuficiência pancreática?

A função do pancreas é produzir enzimas digestivas, que auxiliam na digestão dos alimentos. Justamente quando existe uma redução de 90% dessa produção, ocorre um colapso.

Por sua vez, o colapso acaba provocando danos ao organismo, gerando a insuficiência pancreática exócrina.

A insuficiência pancreática exócrina acontece quando o pâncreas entra em colapso, e para de produzir enzimas, causando uma péssima digestão e falhas na absorção dos alimentos.

Assim sendo, é possível dizer que, se o órgão não pode fazer o seu trabalho, são ocasionados problemas digestivos.

Em crianças, as mais frequentes são a fibrose cística e a síndrome de Shwachman-Diamond. A insuficiência pancreática endócrina pode estar associada ao diabetes do tipo 1, ou diabetes autoimune.

Geralmente, a doença é o resultado da lesão pancreática progressiva, que pode ter diversas causas, como a fibrose cística. Com menor frequência, pode estar associada ao câncer de pâncreas.

  • Quais são os sintomas da insuficiência pancreática?

Entre os principais sintomas da insuficiência pancreática, estão:

  • Perda de apetite;
  • Diarreia;
  • Perda de peso;
  • Fezes oleosas e com mau cheiro;
  • Dor de estômago;
  • Gases e inchaço;
  • Dor óssea;
  • Cãibras musculares;
  • Inchaço nas pernas;
  • Pele pálida, hematomas facilmente ou com erupção cutânea;
  • Osteoporose;
  • Anemia por perda de nutrientes vitais.

É importante lembrar que, pode surgir somente uma má digestão, formação de gases ou abdômen distendido, sendo estes os principais sintomas de pancreatite.

Em geral, a pessoa que sofre com este problema não precisa apresentar todos os sintomas, principalmente no início do problema. Os exames de sangue podem mostrar sinais de má nutrição.

  • Quais são os fatores de risco da insuficiência pancreática?

O principal fator de risco associado à insuficiência pancreática é a não absorção de gorduras e vitaminas (A, D, E, K), podendo ter a visão noturna comprometida por conta da deficiência vitamínica.

Em casos mais graves, ocorre também a deficiência óssea, na qual os ossos se quebram facilmente. Além disso, outros fatores podem contribuir, sendo eles:

  • Espasmos musculares;
  • Cólicas intestinais;
  • Convulsões;
  • Fraqueza;
  • Dormência nos pés e nas mãos;
  • Dores abdominais fortíssimas;
  • Gorduras nas fezes.
  • Como é feito o diagnóstico da insuficiência pancreática?

O diagnóstico, geralmente, é realizado com base nos sintomas. Assim sendo, são solicitados alguns exames de imagem, exames de fezes (para avaliar a quantidade de gordura), e exames de sangue (para medir as vitaminas e sais minerais).

Então, são solicitados ao paciente os seguintes exames:

  • Exames de sangue;
  • Exames de fezes;
  • Tomografia computadorizada;
  • Ecografia endoscópica.
  • Como tratar insuficiência pancreática?

O tratamento deve ser iniciado assim que o diagnóstico for confirmado pelo médico. E quanto mais precocemente começar, menores serão as chances de o paciente sofrer complicações que possam afetar sua qualidade de vida.

Geralmente, o tratamento é feito com a reposição das enzimas que estão em falta no pâncreas. São essas enzimas as responsáveis por ajudar o organismo a absorver os nutrientes que estão nos alimentos, corrigindo ou evitando a má nutrição.

Para tratar a insuficiência pancreática, alguns cuidados são necessários, tais como:

  • Dieta correta;
  • Hábitos saudáveis;
  • Ingestão de vitaminas A, D, E e K para substituir o que seu corpo não pode absorver dos alimentos;
  • Alimentação diária em cinco pequenas refeições;
  • Menores refeições, e com mais frequência ao longo do dia;
  • Evitar o cigarro e o álcool;
  • Beber grande quantidade de líquido;
  • Água, caldos, suco de fruta e bebidas sem cafeína;
  • Recusar refeições e dietas ricas em fibras;
  • Realizar a reposição de enzimas.
Base-Side-Bar-Figado
Entre em Contato | Prof. Dr. Luiz Caneiro
× Agendar Consulta.