Logo | Dr. Luiz Carneiro CRM 22761
Home RobóticaContato

Colectomia e Retossigmoidectomia

Quando falamos de cirurgia do intestino grosso e cólon, estamos falando de: colectomia total, colectomia parcial e retossigmoidectomia.

Anatomia do intestino grosso

Ao analisar a anatomia do intestino grosso, podemos perceber que ele é dividido em algumas partes: cólon direito, também chamado de cólon ascendente, estando localizado abaixo do intestino delgado e acima do ceco e apêndice. No centro é onde fica o cólon transverso, e na esquerda, de cima para baixo, situa-se o cólon esquerdo, também chamado de descendente, o cólon sigmoide e o reto.

Cirurgias do intestino grosso

​As cirurgias feitas no intestino grosso são classificadas em:

  • colectomia esquerda (cólon descendente);
  • colectomia transversal (cólon do centro);
  • colectomia direita (cólon ascendente)
  • sigmoidectomia (sigmoide).

Em alguns casos, a colectomia total é exigida e precisamos retirar todo o intestino grosso. Isso depende de cada doença e de cada situação clínica. Por exemplo:

  • câncer de ceco: a colectomia direita é indicada;
  • doença diverticular (vertículo de sigmoide): a sigmoidectomia é feita.

Pós-operatório de colectomia parcial e retossigmoidectomia

Quando se trata de colectomia parcial (apenas cólon esquerdo, cólon direito ou transversal) e sigmoidectomia, as pessoas têm uma vida absolutamente normal após a cirurgia.

Em alguns casos, os pacientes operados podem ter uma mudança do trânsito intestinal porque se perde a válvula ileocecal levando a uma tendência à diarreia. Mas com o tempo, o intestino tende a voltar ao ritmo intestinal.

Cirurgia e pós-operatório da colectomia total

Quando estamos falando de colectomia total, onde todo o intestino grosso foi retirado, é possível que o ritmo intestinal também volte ao normal, o que depende do quanto sobrou do reto. É preciso estudar bem o caso para ver se pode fazer uma reconstrução do reto e impedir a diarreia.

Ao retirar o cólon totalmente, não tem como realizar uma anastomose no reto. Nesse caso, é preciso fazer uma bolsa ileal, os proctologistas têm grandes experiências com isso.

Gostou? Compartilhe!
dr Luiz Carneiro

Profº Dr.Luiz Carneiro

CRM: 22.761/SP

Diretor do Serviço de Transplante e Cirurgia do Fígado do Hospital das Clínicas, professor da FMUSP e chefe do Departamento de Gastroenterologia da FMUSP.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

magnifiercrossmenuchevron-down