Logo | Dr. Luiz Carneiro CRM 22761
Home RobóticaContato

Como ajudar na diminuição da fila de transplante de órgãos?

A doação de órgãos ainda é um assunto muito delicado para algumas pessoas, mas é importante saber que essa é uma ação que pode mudar e salvar a vida de muitas pessoas.

Neste post, vamos falar sobre como se encontra a fila de transplante de órgãos no Brasil e como ajudar a diminuir essa fila. Confira!

Como está a situação atual das filas de transplante no Brasil?

O Brasil enfrenta uma negativa nas filas de transplante, chegando a 47% em algumas regiões do país.

É considerado negativo porque quanto maior a fila, mais pacientes não serão transplantados, e a única maneira de transplantar esses pacientes é tendo órgãos, então, a fila aumentou porque nós não temos órgãos para transplantar.

Como mudar esse cenário?

A melhor maneira é conversando sobre doação, porque no caso de um acidente ou de uma fatalidade familiar, a família já sabe o seu desejo. Por exemplo, se um jovem sofre um acidente e acaba tendo uma morte encefálica, se não houve uma conversa prévia em que foi esclarecida a questão da doação, se não foi manifestado o desejo, quando vai se falar em doação com a família, a família fica confusa na hora e termina tendo muita negativa familiar.

Então comunique a sua família, é simples, fale que quer doar seus órgãos caso numa situação de desgraça ou no infortúnio venha a falecer. Essa é a melhor maneira de sua vontade ser respeitada.

Doe e salve vidas!

Um bom doador, se tiver condições, pode ajudar até 14 pessoas, então, você pode estar mudando a vida de 14 pessoas, que vão recuperar a sua qualidade de vida.

É muito importante que todos nós doemos, para continuarmos vivos através desse órgão em outras pessoas e salvar outras vidas.

Manifeste o seu desejo a sua família e não deixe de conversar para também saber o desejo deles.

Gostou? Compartilhe!
dr Luiz Carneiro

Profº Dr.Luiz Carneiro

CRM: 22.761/SP

Diretor do Serviço de Transplante e Cirurgia do Fígado do Hospital das Clínicas, professor da FMUSP e chefe do Departamento de Gastroenterologia da FMUSP.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

magnifiercrossmenuchevron-down