ADENOCARCINOMA DO PÂNCREAS

  • Qual a função do pâncreas?

O pâncreas, localizado na região superior do abdômen, faz parte do sistema digestivo do nosso organismo. Ele possui a função endócrina, que produz a insulina, hormônio responsável por controlar os níveis de glicemia do sangue, e a função exócrina, incumbida de produzir as enzimas relacionadas à digestão e absorção dos alimentos que consumimos.


  • O que é câncer de pâncreas?

Em grande parte das situações, o câncer neste órgão é o adenocarcinoma, originado no tecido glandular, sendo responsável por mais de 90% dos casos diagnosticados pelos médicos, e pode ser relacionado ao tabagismo.

O câncer de pâncreas atinge praticamente na mesma proporção homens e mulheres, em geral, com idade superior a 50 anos, especialmente os mais velho, entre os 65 e os 80 anos. Este tipo de câncer é bastante raro em pessoas com menos de 30 anos de idade.


  • O que é adenocarcinoma do pâncreas?

É um tipo do câncer de pâncreas que, geralmente, origina-se nos ductos pancreáticos, mas pode também desenvolver a partir das células responsáveis por produzir as enzimas pancreáticas (carcinomas de células acinares). Grande parte dos adenocarcinomas apresenta-se na cabeça do pâncreas, a parte que se encontra mais perto do primeiro segmento do intestino (duodeno).


 

  • Quais são os fatores de risco?

O principal fator de risco relacionado ao adenocarcinoma do pâncreas é o tabagismo. As pessoas que usam cigarro e seus derivados tem cerca de três vezes mais chances de desenvolver câncer de pâncreas do que os não fumantes. O risco aumenta de acordo com a quantidade e o tempo de consumo desse tipo de droga.

Além disso, aqueles que sofrem de diabetes melitus tipo 2, e de pancreatite crônica, geralmente causada pelo uso excessivo de álcool pelo paciente, tem chances de desenvolver a doença.


 

  • Quais são os sintomas do adenocarcinoma do pâncreas?

Perda de peso, olhos e pele amarelados, e dores abdominais são os sintomas mais frequentes deste tipo de câncer. É importante ressaltar que a perda de apetite e a desnutrição também podem ocorrer, dependendo o grau da doença.

No entanto, há casos em que o paciente não tem sinais da doença. Apesar de não haver uma justificativa para realização de exames de imagem em pacientes deste tipo, o diagnóstico precoce, a partir da identificação de alguma lesão pré-maligna, pode levar à maiores respostas ao tratamento e chances de cura.


 

  • Como é feito o diagnóstico do adenocarcinoma do pâncreas?

É realizado a partir de manifestações clínicas do paciente, relacionadas a exames de imagem, capazes de mostrar a presença do tumor no pâncreas.


 

  • É possível evitar o adenocarcinoma do pâncreas?

Por ser associado diretamente a hábitos de vida do paciente, é essencial levar uma vida saudável, com relação à alimentação, e evitar, principalmente, o cigarro e o álcool. Apesar disso, há casos em que o câncer de pâncreas aparece também em pessoas sem histórico de tabagismo ou ingestão de álcool. Mas, é sempre necessário ter hábitos saudáveis para diminuir os riscos de contrair este tipo de câncer de pâncreas.


 

  • Como tratar o adenocarcinoma do pâncreas?

O tipo de tratamento a ser indicado pelo médico responsável vai depender de diversos fatores, entre eles, o tipo de tumor, sua localização, seu estágio e do estado de saúde do paciente. Em geral, é possível afirmar que a cirurgia seja mais indicada em estágio inicial, pois pode ser retirado o tumor por completo, contendo o avanço da doença no organismo. Se há existem metástases atingindo outros órgãos, a operação também pode ser realizada com intenção terapêutica ou associada ao tratamento quimioterápico.

Além disso, o médico pode indicar a quimioterapia, associada ou não à radioterapia, que ajudará a controlar a doença, aliviar os sintomas e evitar a volta do tumor.

Por isso, é sempre importante destacar a importância do diagnóstico precoce do câncer, neste caso, que atinge o pâncreas. Quanto antes for descoberto, maiores são as chances de cura do paciente.


 

Prof. Dr. Luiz Carneiro
Diretor da Divisão de Transplantes de Fígado e Orgãos do Aparelho Digestivo do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP
TIRE SUAS DÚVIDAS