PANCREATITE CRÔNICA

  • O que é Pancreatite Crônica?

Essa doença é caracterizada pela inflamação do pâncreas. Ela pode ser identificada de duas formas: aguda ou crônica. O uso abusivo de álcool é diretamente ligado à maioria dos casos relatados deste problema.


 

  • Quais são as causas da pancreatite crônica?

Quando os indivíduos ingerem álcool em grandes quantidades e por um longo período de tempo, há alterações no pâncreas. Na verdade, causa mudanças no parênquima pancreático, levando à fibrose e endurecimento do pâncreas, e consequente atrofia deste órgão.

Portanto, a causa mais comum dessa doença é o uso abusivo de álcool por anos, mas também pode ser ocasionada por uma lesão do ducto pancreático, num único ataque de pancreatite crônica. Neste caso, estes ductos lesados provocam a inflamação do pâncreas, faz com que o tecido seja destruído e  desenvolva um tecido cicatricial.

Há casos também de pacientes com a pancreatite crônica que tem surtos de pancreatite aguda.


 

  • Quais são os sintomas da pancreatite crônica?

Entre os sintomas estão dor, diarreia e diabetes, devido à perda das funções endócrinas e exócrinas do pâncreas. Na verdade, a dor vai aparecer para o paciente nas fases agudas da doença e é igual a dor causada pela pancreatite aguda.

Portanto, se você sentir uma forte dor no lado superior do abdômen, onde se localiza o pâncreas, e  que se espalha pelas costas, procure um médico imediatamente. O diagnóstico precoce da pancreatite crônica é fundamental no tratamento e cura da doença.


 

  • Como é feito o diagnóstico da pancreatite crônica?

Como a causa dessa doença pode ser diretamente associada ao uso abusivo de álcool, o médico pode realizar o diagnóstico e descobrir a doença por meio de exames clínicos e do histórico de saúde do paciente. Exames complementares, como exames de sangue, raios X e ultrassom abdominal, no entanto, serão responsáveis por confirmar a pancreatite crônica no indivíduo.


 

  • Como tratar a pancreatite crônica?

O tratamento da pancreatite crônica pode ser feito de modo clínico também. Inicialmente, o médico deve tentar controlar a dor do paciente e deixar o pâncreas em repouso. Para isso, indicará uma dieta mais saudável à base de hidratos de carbono, evitando alimentos gordurosos.

O uso de medicamentos deve ser indicado pelo médico que acompanha o tratamento, precisando de cuidado ao prescrever analgésicos. É fundamental que se tenha cautela ao indicar o uso crônico de opioides, para evitar uma possível dependência deste remédio.

No caso de pacientes que estão com diarreia, apresentando insuficiência exócrina do pâncreas, eles precisam receber as enzimas pancreáticas, devido à deficiência de produção delas. E, por fim, para as pessoas com diabetes, é necessário o controle da glicose na dieta e manutenção de medicamentos associados a este problema.

No entanto, todos estes casos precisam ser analisados pelo médico, a partir de um bom diagnóstico da doença. A automedicação é perigosa e pode trazer riscos para a sua saúde.

Se o paciente já estiver com a doença e, em tratamento, não pode tomar álcool, pois esta substância pode agravar o quadro.


 

  • É possível evitar a pancreatite crônica?

Alguns cuidados no seu dia a dia podem ajudar a evitar a pancreatite crônica, entre eles, especialmente, está não exagerar na bebida alcoólica. Independentemente da quantidade ingerida, o álcool sempre será prejudicial ao pâncreas e as chances de causar a pancreatite crônica são grandes.


 

  • Quais as complicações da pancreatite crônica?

A pancreatite crônica pode ser controlada por meio de medicamentos e de um tratamento adequado para cada caso. No entanto, há a possibilidade também desta doença causar danos ao paciente, como: problemas nos rins, câncer de pâncreas, diabetes, subnutrição e infecção no pâncreas.

Dessa forma, mostra-se importante que seja realizado o melhor tratamento, para haver a redução dos riscos ao paciente.


 

Prof. Dr. Luiz Carneiro
Diretor da Divisão de Transplantes de Fígado e Orgãos do Aparelho Digestivo do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP
TIRE SUAS DÚVIDAS