ESQUISTOSSOMOSE

  • O que é Esquistossomose?

Popularmente conhecida como barriga d´água ou doença do caramujo, a esquistossomose é uma infecção causada por parasitas do gênero Schistosoma mansoni, que se alojam nos vasos sanguíneos do sistema intestinal.

A doença se tornou é crônica em alguns estados do país como Minas Gerais, Espírito Santo, Rio Grande do Norte, Paraíba, Sergipe, Espírito Santo, Maranhão, Bahia, Alagoas.

No Brasil, estima-se que 25 milhões de pessoas estejam sob o risco de contrair a doença, devido à falta de saneamento básico, e outros seis milhões já estão infectados, segundo dados do Ministério da Saúde.

Inicialmente assintomática, a esquistossomose pode evoluir para formas clínicas extremamente graves, e levar o paciente a óbito.


 

  • Transmissão da esquistossomose?

A esquistossomose é uma doença parasitária, causada pelo trematódeo Schistosoma mansoni, que em sua forma adulta habita os vasos sanguíneos do hospedeiro definitivo, que é o homem. Esses vasos são os responsáveis por drenar o sangue dos intestinos, rico em alimentos digeridos, e transportá-lo ao fígado.

Hospedado, o shistosoma mansoni produz centenas de milhares de ovos, que atravessam as paredes dos vasos sanguíneos, para depois serem eliminados pelas fezes.

Os ovos do verme da esquistossomose são eliminados pelas fezes humanas. Em contato com a água, os ovos eclodem e liberam larvas, o embrião. Depois de um mês, as larvas da esquistossomose abandonam o caramujo na forma de cercarias, e se libertam na água doce, água parada e esgoto não tratado.

Quando o homem entra em contato com essas águas, ele adquire a doença. As cercarias penetram na pele pelos pés e pernas, até detectarem um vaso sanguíneo. Depois que penetra na pele chega ao sangue, caminha para o coração e atinge os pulmões e o fígado.

O homem infectado pode eliminar os ovos com Shistosoma mansoni a partir de cinco semanas após a infecção, e por um período de 6 a 10 anos, podendo chegar até mais de 20 anos.  As larvas são vistas, principalmente, entre 10 da manhã e 4 da tarde, em função do sol e do calor.


 

  • Sintomas da esquistossomose?

Sintomas em casos agudos da esquistossomose

  • Coceira na pele após a invasão do parasita;
  • vermelhidão no local;
  • formigamento;
  • febre;
  • dor na cabeça;
  • calafrios e suores;
  • fraqueza;
  • falta de apetite;
  • dor muscular;
  • tosse e diarreia;
  • fígado e baço podem inflamar e aumentar de tamanho.

Sintomas em casos crônicos de esquistossomose

A diarreia se torna mais constante, alternando-se com prisão de ventre, e pode aparecer sangue nas fezes. Além destes sinais, a pessoa contaminada pode apresentar também:

  • Tontura;
  • dor de cabeça;
  • sensação de plenitude gástrica;
  • prurido anal;
  • cólicas;
  • palpitações;
  • impotência;
  • emagrecimento;
  • endurecimento do fígado, com aumento do seu volume.

 

  • Complicações da esquistossomose

Esquistossomose intestinal

A permanência de ovos na parede do intestino provoca uma diarreia sanguinolenta. Pode haver inflamação, ulcerações, e até mesmo, a obstrução da passagem das fezes.

Esquistossomose hepatoesplênica

A contaminação com um número excessivo de parasitas, pode resultar em uma doença do fígado.  A hipertensão portal é responsável pelo aumento do volume do abdômen, conhecido popularmente como barriga d’água. O paciente apresenta também emagrecimento, fraqueza e varizes do esôfago. As varizes são uma complicação que, ao se romperem, causam grave hemorragia digestiva e vômitos com sangue.


 

  • Diagnóstico da esquistossomose?

Para diagnosticar a esquistossomose, são realizados:

  • Exame parasitológico de fezes (só detecta os ovos após seis semanas de contaminação);
  • Hemograma – anemia;
  • Biópsia do reto.

 

  • Tratamento da esquistossomose

Geralmente, o tratamento de esquistossomose, em casos mais simples, é feito através do medicamento chamado de Praziquantel, em dose única, recitado e supervisionado pelo médico. O remédio é disponível também, gratuitamente, pelo Ministério da Saúde. 

Quando os casos apresentam gravidade, a internação hospitalar será muito importante, e poderão exigir até mesmo um tratamento cirúrgico, dependendo da situação do paciente.


 

  • Como prevenir a esquistossomose

Para se prevenir da esquistossomose, deve-se evitar o contato com águas que estejam infestadas de caramujos hospedeiros intermediários. O tratamento coletivo de comunidades que contém o risco da doença, é fundamental. 


 

Prof. Dr. Luiz Carneiro

Diretor da Divisão de Transplantes de Fígado e Orgãos do Aparelho Digestivo do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP

TIRE SUAS DÚVIDAS

Share This
Agende pelo Whatsapp